Da minha janela


Quase frio. Quase chuva. Quase.


/...«Num ímpeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí…
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi…»...*


* De QUASE – poema de mário de sá carneiro

1 comentário:

Tina disse...

Por aqui muito solinho, para animar a segunda feira.
Uma boa semana.