Estória de 1 poste inclinado

Ir sábado de manhã e voltar 2ª feira, de manhã também. Euzinha, Marido e Bi. Mas está tanto frio!
Como é meu hábito, cliquei aqui, cliquei ali. Com o telélé ou com a EOS, o que estivesse mais à mão. Finalmente tinhamos chegado à terrinha para um fim de semana.
Uma manhã de sol radioso foi um belo presente. 2 graus Centígrados marcados no computador do carro, um friozinho de rachar e um calorzinho de Inverno entrava pela abertura da minha janela, mas o Penedo estava limpinho de núvens, à nossa espera.
Não reparei quando chegámos, mas estava lá. Há quantos dias? Desconheço. Um poste de electricidade perigosamente inclinado para avia pública, de que não demos conta porque estávamos a acabar de chegar ao nosso sítio e desejosos de entrar em casa - um frigorífico - e acender o fogão a lenha para a aquecer. Foi muito bom, o sábado gordo.
No dia seguinte, o tempo já a modos que a querer enfarruscar, fez-nos querer aproveitar e saír de casa para uma voltinha. Um salto aos primos Afonso e Palmira, depois de almoço, para a bica. Era Domingo Gordo, talvez vissemos alguns mascarados...
Metemo-nos no carro e lá fomos. Foi ao dar a curva ao pé da Capela que olhei e vi o poste inclinado. É pá! E se isto ainda cai? Vai fazer estragos.
O que impedia o poste de tombar de vez eram os cabos eléctricos e estavam tão esticados que poderiam romper-se a qualquer instante. Mas será que ainda ninguém viu isto? Será que já alguém comunicou para a EDP?
Já na Póvoa tinhamos apresentado os cumprimentos e distribuindo beijinhos quando chamei a atenção para o poste inclinado lá em baixo, na curva a seguir à Capela. «Ai está?» «Mas então ainda ninguém telefonou?» «Mas isso é um perigo.» «Eu já tinha reparado...».
Respostas que fui ouvindo. E ninguém de cá fez nada?
Olha, disse eu para a Palmira, sabes o número que eu ligo? É grátis e disse-mo. Liguei.
A senhora que me atendeu obteve de mim o que necessitou. Nesse Domingo Gordo à tarde, um pouco mais tarde do que a minha tarde, aparecerem dois senhores do piquete da EDP e arranjaram.
Chegada à Cerdeira, Sábado Gordo, numa manhã de sol. Poste inclinado.
Segunda feira gorda, Neve no Meu Penedo. Chuva e neve para a viagem. Poste na prependicular.
Hoje de manhã, ao voltarmos a Lisboa, cliquei o poste que já estava na devida posição.
Tal como de um dia para o outro o tempo virou, na mesma tarde do mesmo dia uma empresa portuguesa fez o que devia.
É preciso dizer que eu não deixei andar, eu fiz o que devia. E a EDP também.
Nem TUDO é mau no meu País!

3 comentários:

Elvira disse...

Ai que friooo, também por cá, principalmente no Domingo! E eu voltei a ficar "quase constipada." O meu pai está por lá, esqueci-me de dizer, eu estarei de férias na segunda e não na primeira quinzena do proximo mês - alterei, e espero que o tempo melhore para dar lá uma saltada de uma semana. Vamos a ver... Beijinho.

Thera disse...

olá,amiga...
td bem?pois é...em seu país muito frio aqui um calor intenso!!!muita água de coco e banho de mar e cachoeira!!!
parabens pelo blog...muito bom de ver!!!
vc e seu cara metade fazem um par muito simpático...cuida bem dele!!!
NAMASTE!!!

Guidinha Pinto disse...

Elvira, passados uns dias, olha só o que aconteceu. Realmente não podemos garantir que está tudo bem, né?
Beijo

Thera, Namaste! Realmente o seu é o outro lado do mundo, mais abaixo da linha do Equador? Talvez. Mas o seu sítio é mesmo um paraíso.
Beijo